quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Ensinar e aprender....


"A alegria não chega apenas no encontro do achado, mas faz parte do processo da busca. E ensinar e aprender não pode dar-se fora da procura, fora da boniteza e da alegria..." Paulo Freire
A aula sobre Vacinas, que aconteceu na E.E. Romeu de Moraes nesta terça-feira, foi mais uma demonstração de que podemos ir mais além em relação à educação no Brasil. Podemos observar que a busca pelo conhecimento realmente pode abrir a mente das pessoas para discussões que servem não apenas para as aulas na escola, mas para a vida cotidiana. Essa busca nos faz perseverar, acreditar!
Esta escola é um exemplo de como uma boa escola pode influenciar muito na vida de um aluno.
Parabéns aos professores, à diretora, e aos patrocinadores dos projetos desta escola. Temos orgulho de trabalhar com vocês!

Estas são as fotos da aula!




Adoramos estar com vocês,
Abraços, Karine*

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Aula Vacinas

Oi Pessoal,

Estou empolgadíssima para a nossa aula sobre Vacinas, que acontecerá amanhã na E.E. Romeu de Moraes.
Mais uma etapa do processo está sendo cumprida, tanto no aprendizado dos alunos como no nosso!
Vai ser um sucesso.....

Prometo que colocarei fotos das aulas anteriores e desta também.

Abraços,
Karine*

sábado, 11 de setembro de 2010

O que é um Linfócito B?

Linfócito B ou célula B é um tipo de linfócito que constitui o Sistema Imune. Ele tem um importante papel na imunidade humoral e é um essencial componente do Sistema Imune Adaptativo. A principal função das células B é a produção de anticorpos contra antígenos. Após sua ativação, os linfócitos B podem sofrer diferenciação em plasmócitos ou células B de memória.

O corpo humano produz milhões de diferentes tipos de células B a cada dia, que circulam no sangue e linfa e que têm um papel importante na vigilância imune. Elas não produzem anticorpos até serem completamente ativadas. Uma vez que a célula B encontra seu antígeno e recebe um sinal adicional da célula T auxilar, ela pode se diferenciar em um dos dois tipos de células B listadas abaixo.

• Plasmócitos (também chamados de células plasmáticas) são grandes células B que foram expostas ao antígeno e produzem e secretam grandes quantidades de anticorpos, que ajudam na destruição dos microorganismos ligando-se a elas e tornando-os alvo para fagócitos e ativando o sistema complemento. Em microscopia eletrônica estas células revelam uma grande quantidade de retículo endoplasmático rugoso, responsável pela síntete de anticorpos.

• Células de memória B são formadas através da ativação de células B no encontro com antígeno específico durante a resposta imune primária. Estas células são capazes de uma vida longa, e podem responder rapidamente a uma segunda exposição ao mesmo antígeno.

No reconhecimento do antígeno a diferença é de como as células B e as T o vêem. Células B reconhecem seus sítios de ligação com o antígeno em sua forma nativa. Elas reconhecem o antígeno livre (solúvel) no sangue ou linfa usando suas BCR ou sítio de ligação entre membrana e imunoglobunina. As células T reconhecem seus sítios de ligação em um processo formado, como um fragmento de peptídeo apresentado pela célula apresentadora de antígeno.
O reconhecimento do antígeno pela célula B não é o único elemento necessário para sua ativação (uma combinação de proliferação e diferenciação em plasmócitos). Células B que não foram expostas ao antígeno, conhecidas como "células virgens"', podem ser ativadas por células T dependente ou independente.


Plasmócito



Bom estudo!

Abraços,
Karine*

domingo, 5 de setembro de 2010

Sangue...

O sangue é formado por um líquido amarelado denominado plasma, no qual se encontram em suspensão milhões de células e proteínas.


Entre as proteínas plasmáticas, encontram-se a albumina, responsável pela manutenção da pressão osmótica sanguínea; o fibrinogênio e a protombina, que participam na coagulação; e as globulinas, incluindo os anticorpos, que proporcionam imunidade face a muitas doenças.


Uma grande parte do plasma (95%) é composta pela água, meio que facilita a circulação de muitos fatores indispensáveis que formam o sangue.

O nível de sal no plasma é semelhante ao nível de sal na água do mar!

Nas figuras, pode-se observar um vaso sanguíneo (cortado ao meio), onde aparecem os elementos figurados (plaquetas, glóbulos vermelhos e brancos), suspensos sobre o plasma sanguíneo, que contém os anticorpos.





Abraços,
Karine*

O que são Anticorpos?

Esta é uma breve explicação do que são e de como os anticorpos defendem o nosso corpo!

Quando algum antígeno (bactérias, fungos, etc.) entra em contato com o corpo humano, o sistema imunológico produz anticorpos como um mecanismos de neutralização dos antígenos e eliminação do patógeno invasor.


Anticorpos são glicoproteínas derivadas dos linfócitos B que atacam os antígenos causadores das doenças.

Eles podem existir em diferentes formas conhecidas como isotipos ou classes. Nos mamíferos existem cinco isotipos ou classes diferentes de anticorpos, conhecidos como IgA, IgD, IgE,IgG e IgM. Eles possuem o prefixo "Ig" que significa imunoglobulina, um outro nome utilizado para anticorpo.

Os diferentes tipos se diferenciam pela suas propriedades biológicas (o que fazem), localizações funcionais (onde são encontrados) e habilidade para lidar com diferentes antígenos (para qual patógeno são específicos).


As principais ações dos anticorpos são a neutralização de toxinas, opsonização (recobrimento) de antígenos, destruição celular e fagocitose auxiliada pelo sistema complemento (que são um conjunto de proteínas que também ajudam na destruição de patógenos e que estudaremos mais adiante).


Cada anticorpo possui uma região especial em suas extremidades que são sensíveis a um tipo de antígeno, fazendo com que os anticorpos se liguem a eles de alguma forma. Um anticorpo pode se ligar ao antígeno a fim de interromper sua ação ou a fim de avisar o organismo que o invasor precisa ser removido.

A relação antígeno-anticorpo é altamente específica, sendo assim, o organismo adquire uma capacidade de resistir ao mesmo agente infeccioso no caso de uma nova infecção ( memória). Aos poucos, o corpo vai criando seu próprio sistema de defesa.



Estas fotos ilustram a estrutura dos anticorpos (antibody). Na primeira temos demonstrado o local de ligação do antígeno (antigen-binding site) com vários tipos diferentes de antígeno e apenas um se liga especificamente ao sítio de ligação para que aja o reconhecimento de qual patógeno ou micróbio está invadindo o nosso corpo, e na segunda o anticorpo na sua estrutura protéica.

Bom estudo!

Abraços,
Karine*

Próxima Aula - Vacinas

OI Pessoal!
A nossa próxima aula na E. E. Romeu de Moraes tem como tema VACINAS, e eu não poderia deixar de destacar um dos mais importantes fatos ocorridos no Brasil em função da vacinação, A REVOLTA DAS VACINAS no RJ.
Encontrei este vídeo e acho que ele conta muito bem o que foi e como aconteceu a Revolta.
Assitam e divirtam-se!

http://www.youtube.com/watch?v=XfsJJLHHBV0&feature=related



"Investir em conhecimentos rende sempre melhores juros."
( Benjamin Franklin )
Pense nisso!
 
Abraços!
Karine*
 

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Animação muito interessante!

http://www.youtube.com/watch?v=lrYlZJiuf18&feature=player_embedded

Assistam ao vídeo!
A animação começa exibindo glóbulos brancos e hemácias fluindo no sangue.
Depois, um simples microorganismo (bactéria) aparece vagarosamente, movendo-se até a superfície da célula. As extensões tubulares na superfície do microorganismo são proteínas que se ligam com as proteínas correspondentes na superfície do glóbulo branco, ou leucócito. Então, mais patógenos ligam-se aos glóbulos brancos, tornando-o ineficiente.
Durante a resposta do sistema imunológico, os anticorpos (Y) atacam os patógenos ligando-se às proteínas do mesmo, impedindo assim que eles se liguem com outras células.
Após, um macrófago aparece para engolir e digerir o patógeno, livrando assim o corpo humano dos invasores.

Adorei!


Abraços,
Karine*

*Questões importantes*

Resumidamente, a IMUNOLOGIA é o estudo das defesas do organismo.
Nós vivemos cercados de microorganismos que podem nos causar doença e mesmo assim não ficamos doentes todos os dias. Como o corpo se defende? Quando a infecção ocorre, como o corpo elimina o invasor e se recupera? E por que nós desenvolvemos uma imunidade duradoura a muitas doenças infecciosas que aconteceram apenas uma vez e a superamos? Por que algumas doenças ainda não tem cura? Por que ainda não existe vacina para algumas doenças?
Essas são questões que permeiam a mente de imunologistas diariamente, e utilizamos a ciência e a pesquisa como ferramentas para tentar respondê-las. Diante disso, nos baseamos em algumas destas questões para trabalhar com os alunos em sala de aula, estimulando o senso crítico e a imaginação!
Ocorreu um erro neste gadget